Voltar aos Textos
Home

por Swami Dayananda


Tradução: Katia Martins Etcheverry


Orar é um processo de pensamento, um tipo particular de pensamento. Na prece existe alguém que reza e um altar no qual a pessoa oferece sua oração. Existe também um modo de rezar que está envolvido, que difere de pessoa para pessoa.

Uma prece pode ser dita em palavras simples ou pode ser um ritual elaborado, altamente tradicional e sancionado por escrituras. Pode ser totalmente oral ou totalmente mental. Ramana Maharshi, em Upadesa Saram, descreve a oração como três formas diferentes de ação (karma): física (kayiaka), oral (vacika) e mental (manasa). O ritual é uma forma física de oração. O canto em honra do Senhor é uma forma oral de oração.

Cantar um mantra silenciosamente é uma forma mental de oração.

Orações sempre têm um objetivo, como qualquer ação. Você pode desejar algo específico ou pode querer clareza mental (antahkarana suddhi), ou você pode rezar “Que o Senhor se compraza com minha oração”, porque você quer estar no livro “certo” de Deus. Você quer que Ele lhe dê uma olhada de vez em quando. Ele parece olhar pelos outros o tempo todo, mas quando chega a sua vez, algo acontece – Ele pisca ou fecha os olhos ao mesmo tempo.

Pode parecer que não podemos rezar no lugar de outra pessoa do mesmo modo como não podemos comer por outra pessoa. Apesar de orar ser uma ação, não é como comer, é mais como tomar banho, não só você pode lavar seu próprio corpo como pode lavar o de seu filho. Posso rezar tanto pelo sucesso de algo que se refira a mim mesmo como por algo que se refira a outra pessoa. Mesmo quando rezo por algo referente a outra pessoa, a oração ainda é minha.

Quando vejo alguém que é infeliz, que está sofrendo, também sofro – porque sou humano. Sou afetado pelas condições de outra pessoa e não suporto este sofrimento. Quero que esta pessoa também seja feliz. Portanto a oração pelos outros é também referente a minha própria felicidade.

Toda oração, assim, é apenas no meu próprio interesse. Quando rezo por minha esposa ou filho, quando digo “Que a minha família seja protegida”, isto é extensível a mim, um eu que está inteiramente afetado. Do mesmo modo, não precisamos ser americanos para nos sentirmos afetados quando um americano é feito refém. Qualquer ser humano será afetado uma vez que tome conhecimento das possíveis conseqüências desta ação.


Os Dois Resultados da Oração

A oração é sempre efetiva, tanto em interesse próprio como no dos outros. Para vermos como a oração é efetiva e como produz resultados é preciso analisar a natureza da oração.

Um dos resultados de sua oração é imediato (drstaphala). Ao rezar por algo, como clareza mental, você está reconhecendo uma força superior a sua própria. Está também aceitando a limitação de seu próprio poder e conhecimento. Isto é simples pragmatismo. Para ser objetivo, uma pessoa deve conhecer suas limitações. Mesmo quando conhecemos nossas limitações, ainda assim, freqüentemente, não queremos aceitá-las.

Que possamos rezar é uma grande coisa, porque implica uma aceitação de nossa parte, não só de nossas limitações, mas também a aceitação de uma fonte que não tem limites. Esta aceitação é algo muito bonito e é o resultado imediato da oração. Pode-se dizer que isto é psicológico ou algo assim, mas o resultado é visível. Não é fácil sentar e rezar. Mas quando você o faz, uma espécie de dissolução acontece. De outro modo o ego não deixaria você sentar e rezar.

Existe também um resultado da oração que é invisível (adrstaphala), que é onde a fé começa. O agente da ação de rezar diz “Isto é o que eu quero”. A ação e o desejo expresso provocam um resultado que é de natureza sutil, invisível.

Esse resultado invisível se manifestará no futuro e é o que chamamos de graça. É produzido pela ação e dirigido ao “fazedor da ação”, aquele que reza.


A Lei do Karma

Se você aceita a lei do karma, você pode chegar a considerar que a maior parte dos problemas surge como resultado das ações feitas nesta vida e em vidas passadas. Um problema no estômago ou cancer, por exemplo, pode ser entendido como resultado de karma passado. Ou você pode dizer que o problema é hereditário ou genético, o que é apenas fazer uso de um modelo diferente de explicação. De qualquer modo, é a mesma coisa. Indo um pouco mais adiante, você pode perguntar por que você nasceu com estes genes em particular? Por que você tem de estar nesta situação? Por que você não tem outros pais? Se você colocar estas questões a um geneticista ele ou ela não terá resposta e lhe dirá “Vá perguntar isto a um Swami. Este não é o meu campo!”

Dizemos que há uma seleção natural de pais que se dá de acordo com certas leis. Se existe sobrevivência da alma, devem existir leis que governam a imensa rede de combinações possíveis que determinam o próximo nascimento da alma. Muitos aspectos devem ser organizados – época e lugar do nascimento, pais, posição social e cultural, situação econômica, e assim por diante – tudo o que afetará em alguma medida a criança que vai nascer. Deste modo, cada pessoa tem um tipo particular de karma.

Karma é uma cadeia enorme de leis que operam de modo puramente mecânico. Do ponto de vista do karma, sua dor de estômago pode ser o resultado de karma feito no passado, tanto há muito tempo como mais recentemente. Pode ser devido a várias razões – excesso de alimentação, álcool, ou a condição de sua mente – tudo isto pode ser visto em termos tanto de passado imediato como remoto.

Se você se preocupa com isto você só aumenta sua infelicidade. Portanto, preocupar-se é inútil. O passado já aconteceu e não pode ser mudado. Eu aceito o passado e então rezo. Algum dano pode ter sido feito a meu estômago devido a eventos passados. Se for assim há algo que posso fazer agora? Sim. Posso rezar, “Que esta prece produza resultados que neutralizem o karma passado”.

A lei do karma é sutil. Não conhecemos nosso karma passado. Só sabemos que quando algo ocorre isto pode ser devido ao karma passado. Quando eventos extraordinários ocorrem e não podemos relacioná-los a causas imediatas, nos voltamos para o karma passado a fim de achar explicações. Talvez você ganhe na loteria e chame isto de boa sorte, ou perca algo e chame de má sorte – tudos isto pode ser o karma passado em ação. A despeito de todos os seus planos e esforços, situações que chamamos de má sorte continuam acontecendo. O karma pode estar se desdobrando a cada dia. O que você está acertando hoje pode ser devido ao karma passado. Apenas não podemos ver isso.

Mesmo um ateu convicto explica eventos em termos de sorte. Se ele pega um ônibus, por exemplo, e é a última pessoa a entrar antes de o ônibus partir ele diz, “Que maravilha! Que sorte!” Do mesmo modo, quando ele perde o ônibus, chama de má sorte.

As pessoas predem ônibus na vida – e existem muitos ônibus. Não importa quão cuidadosamente planejemos, no último minuto algo pode acontecer e vamos atribuir à má sorte. Quando tais eventos ocorrem, eles indicam a presença de algo sutil no qual não podemos por nosso dedo em cima. Não sabemos onde ele existe, o que é, ou como se desdobra. Só sabemos que continua acontecendo e que existe um padrão que é respeitado. Este “algo” é explicado pela lei do karma.

Karma e Oração

Como posso neutralizar os efeitos do passado, tanto imediato como remoto? Existem certas coisas que posso fazer. O que devo fazer eu faço, usando meu esforço. Junto com o esforço necessito de entusiasmo, coragem, conhecimento, recursos, e a prontidão e a capacidade de encarar obstáculos. E, com tudo isto, eu ainda posso perder o ônibus, e é por isto que necessito da oração. Se estas seis qualidades estão presentes, o Senhor pode ajudar – se eu rezar. Todas as seis devem estar lá. Não posso simplesmente sentar e rezar.

Tem uma estória sobre dois rapazes que estavam viajando para a cidade vizinha. No caminho lhes aconteceu de ver um templo de Ganesha. Um dos costumes hindus é de que que não se deve passar por um templo sem oferecer nossas preces. Um dos jovenss entrou no templo, mas o outro seguiu caminhando dizendo “Não vou entrar no templo porque não acredito nisso.”

Quando estava saindo do templo, após receber a darshan do Senhor, o primeiro rapaz pisou num escorpião nos degraus do templo e foi picado. Ele segurou seu dedão berrando e gritou por seu amigo.

Enquanto o segundo rapaz caminhava viu uma coisa no chão. Juntou-a e viu que era uma moeda de ouro. Ouvindo os gritos de seu amigo correu de volta para ver o que havia acontecido. O jovem falou “Esta é a prasada, presente de seu Senhor. Você entrou no templo e levou uma picada de escorpião. Sabe o que eu ganhei por não entrar no templo?”
E então mostrou a moeda.

Por ir ao templo você ganhou uma picada de escorpião. Eu não fui e olhe o que ganhei. Por que você vai a templos? É inútil.

O rapaz já estava picado pelo escorpião, mas as palavras de seu amigo o feriram ainda mais. Sentiu que o que lhe havia acontecido não era justo, e ficou muito triste.

Neste momento apareceu em seu caminho um sadhu. O rapaz o chamou e pediu sua ajuda, dizendo que havia sido picado por um escorpião e que a picada estava queimando. O sadhu lhe deu um remédio para aliviar a dor. O rapaz então lhe perguntou, “Maharajji, entrei no templo conforme nosso costume. Tenho uma devoção verdadeira. Quando estava saindo fui picado por um escorpião. Meu amigo apenas caminhou próximo ao templo e encontrou uma moeda de ouro na estrada. Qual é a justiça disto?”

O sadhu era astrólogo. Ele perguntou as datas e horas de nascimento dos jovens. Calculou tudo e falou aos meninos tudo o que havia acontecido em suas vidas. Descreveu eventos passados, seus pais e a idade em que haviam morrido, e quantos irmãos e irmãs cada um tinha. Como o que tinha dito era verdade, tiveram de acreditar nele.
Então o sadhu falou para o rapaz que havia sido picado pelo escorpião.

“Você deveria ter sofrido uma mordida venenosa de uma serpente ou algum acidente do gênero, mas se livrou apenas com a picada de escorpião”.

Para o outro ele falou: “Você deveria ter ganhado um enorme tesouro, mas em vez disso vai ter que ficar apenas com uma moeda.”

O objetivo da oração é eliminar ou neutralizar nossos erros diários e o Senhor nos confere Sua ajuda quando rezamos. É por isso que a oração é recomendada ao longo de todo o dia – ao amanhecer e à tarde, e de novo ao anoitecer. Ainda que não se tenha cometido nenhum erro no dia sempre existe algum karma passado se desdobrando a cada dia. O karma de cada pessoa é uma mistura dos resultados das boas ações (punya) e das más ações (papa). Punya significa que situações auspiciosas ou agradáveis irão acontecer e papa significa que situações penosas e desagradáveis sucederão.

Para lidar com o papa que se desdobra a cada dia, minuto a minuto, você deve juntar punya que irá neutralizá-lo. A oração faz isto. A oração não é só para obter clareza mental. Ao produzir resultados invisíveis pode também dissolver nossos erros anteriores.

A vida não é nada mais do que uma mistura de punya e papa. Assim encontramos tanto coisas agradáveis como desagradáveis acontecendo o tempo todo. Sabemos perfeitamente que não ditamos os termos da vida e podemos mesmo desenvolver nossas filosofias pessoais de como lidar com isso.

Algumas vezes podemos ter tanto punya como papa vindo em ondas por períodos de tempo – alguns anos, alguns meses, ou algumas semanas, sucessivamente. Pode acontecer apenas papa por um período de tempo e então, depois, de um modo geral, tudo vai bem. Mas a cada dia temos sempre uma combinação dos dois. A manhã pode ter sido maravilhosa, e porque o sol estava brilhando você foi jogar tenis, mas torceu seu tornozelo na quadra e por cinco dias não pode fazer nada.

Algumas vezes tudo pode estar indo bem, mas seu carro não dá partida. Ou dá partida, mas pára no meio da auto-estrada altas horas da noite, a seis milhas do posto de gasolina; teria sido melhor se não tivesse dado partida. Tais situações podem ser devidas a omissões e atos no passado próximo ou ser devidas a velhos papas que você quer neutralizar ou eliminar. Um resultado invisível pode ser neutralizado por outro resultado invisível. Este é o objetivo do resultado invisível da oração.

Suponha que você adormeça com seus bolsos cheios de dinheiro e cartões de crédito e sonhe que está morrendo de fome, e que você não comeu nada em três dias, e não tem dinheiro nenhum. Qual a utilidade do dinheiro em seu bolso? Ele não pode comprar nem uma coca-cola, você precisa para isto de dinheiro de sonho. Assim também para neutralizar os resultados invisíveis ocasionados pelas ações erradas do passado você precisa dos resultados invisíveis da oração.


A eficácia da oração

A oração é eficaz. Você pode dizer:
“Eu rezei, mas nada aconteceu.”
Mas eu diria:
“Se você não rezar, muitas outras coisas podem acontecer.”

Tinha uma vez uma velha senhora que recitava suas contas (mantra japa) o dia inteiro. Apesar de fazê-lo com fé ela ainda criava problemas para sua nora. Ela parava apenas o suficiente para mandar a jovem fazer isto ou aquilo. A pobre jovem, que era recém-chegada na casa, levava uma vida muito difícil.

Após alguns anos vivendo na mesma casa, a nora disse que, apesar de sua sogra ter feito tanto japa, ela não notou nenhuma modificação nela.

“Nos últimos dez anos só vi as contas de seu mala se modificar! Elas se tornaram mais suaves, enquanto que sua mente e comportamento continuavam tão ásperos quanto antes. Só as contas haviam perdido sua aspereza.”
Mas suponhamos que ela não tivesse feito japa. Imagine como ela teria se comportado. Poderia ter sido muito pior, ou até mesmo impossível de viver na mesma casa com ela. As orações da velha senhora, na forma de japa, realmente produziram resultados, ainda que pequenos.

A oração definitivamente produz algum resultado em concordância com a lei do karma. Tudo o que temos de fazer é rezar. Logo a oração faz parte dos esforços de uma pessoa inteligente, uma pessoa inteligente sendo aquela que leva todos os fatores em consideração antes de fazer algo.

Quando levamos nossas limitações em consideração e oferecemos nossa oração, a lei se encarrega dos resultados.

 

O Objetivo da Oração