Voltar aos Textos

Depois da colocação do kanda no lugar, devemos lembrar que a ciência do Yoga dá importância a certos processos de limpeza chamado kriyas, assim como dá aos asanas.
Sem a limpeza regular do sistema de nadis, não se pode esperar muito dos asanas.


O Hatha Yoga Pradipiika no cap. V verso 5 diz:


"Quando todo o sistema de nadis que está cheio de impurezas se torna limpo, somente então o Yogui se torna capaz de controlar o prana".


Desta forma entendemos que:


- O yoga dá importância a certos processos de limpeza como dá aos asanas.

- Sem a limpeza regular das nadis não se pode esperar grandes resultados das práticas de asanas e pranayama.
Com o objetivo de permitir a purificação completa do corpo físico, tornando-o sadio, vigoroso e preparado para os exercícios de pranayama, bandhas ou mudras, seis atos de purificação foram desenvolvidos pelos antigos Yogis.

Estes são conhecidos como Sat Karmas e são citados no livro Gheranda Samhita, cap. I verso 12 :

1. Dhauti - Inclui limpeza do canal alimentar, olhos, ouvidos, dentes língua e topo do crânio.
2. Basti - limpeza do reto.
3. Neti - limpeza das fossas nasais.
4. Nauli - movimento dos retos abdominais.
5. Trataka - purificação dos olhos.
6. Kapalabhati - purificação do sistema respiratório.

Os Sat Karmas eliminam as toxinas e permitem que as reações do corpo sejam equilibradas através da harmonização do sistema endócrino.

Alguns Sat karmas podem ser feitos em sala de aula e outros são orientados para serem praticados em casa.

Neti, Dhauti, Basti são práticas de limpeza que serão realizadas em casa.
Enquanto Nauli, Trataka e Kapalabhati fazem parte das aulas de Dakshina Tantra Yoga.

Kriyas:
As Kriyas tem por objetivo purificar os sistemas de nadis desde o corpo físico até o corpo sutil, envolvendo a purificação das três nadis mais importantes: Ida , Pingala e Sushumna.
O Sistema de Yoga Dakshina Tantra Yoga tem como objetivo equilibrar a energia nos chakras e permitir que, pela purificação das nadis e energização dos chakras, a kundalini possa subir até a morada de Shiva no topo da cabeça, alcançando assim a liberação.
Para isso um processo tem que ser seguido. Primeiro a colocação do Kanda e após a purificação das Nadis: Ida, Pingala e Sushumna.
Ida e Pingala quando purificadas vão permitir que os Chakras sejam energizados ao nível das pétalas.
A sushumna nadi quando purificada em Cittrã e Vajrã Nadi vão permitir que os Chakras sejam energizados ao nível do botão.
E somente quando a Sushumna Nadi for purificada em Brahma Nadi é que será possível a energização dos Cakras a nível de raiz e conseqüentemente a subida da Kundalini.
Dessa forma podemos entender a importância das Kriyas para se obter uma correta energização dos Chakras.


Kriyas realizadas em aula:

1. Padadirasana - Desbloqueia as fossas nasais, equilibrando as polaridades:

Polaridades:
* Ativo (narina direita) - torna o praticante mais dinâmico, agressivo, inquieto, com a mente agitada e talvez dispersiva.- rajásico.
* Passivo (narina esquerda) - torna o praticante mais tranqüilo, lento, sonolento - tamásico
* Equilibrado (respiração pelas duas narinas) - torna o praticante equilibrado, sereno e lúcido - Satvico.

2. Agni-sara - Desimpede e limpa o centro do umbigo (Kanda), permitindo assim que a energia seja bem distribuída por todo o sistema energético.
Agni quer dizer fogo.
O fogo do corpo é conhecido como fogo digestivo e do seu bom funcionamento dependem o crescimento, a força e a resistência do corpo.
Estimula o fígado, o baço, rins e pâncreas. Reduz a gordura abdominal e a prisão de ventre. Elimina desordens digestivas como gases, constipação e dispepsia. Tonifica os órgãos abdominais e estimula o apetite.

Após usamos as Bandhas:

Bandha significa limitação, restrição, juntar-se etc... São chaves que se utiliza em determinadas posturas para que certas partes do corpo sejam contraídas e controladas. As Bandhas ajudam a distribuir a energia e a evitar o desgaste pela hiperventilação do corpo. São praticadas para acordar a kundalini que está adormecida e direcionar a energia através da Susumna Nadi durante os Prãnãyãmas. Sem as Bandhas, a prática do prãnãnãyãma perturba o fluxo do prana e danifica o Sistema Nervoso. O uso das Bandhas é essencial para a experiência do Samadhi.

Inspirar - Com o objetivo de aumentar a quantidade de prana no sistema
Reter a respiração fazendo:

- Jalandhara Bandha - direciona o prana para baixo. Esta bandha desobstrui as passagens nasais e regula o fluxo de sangue e de energia sutil (prana) para o coração, cabeça e glandulas endócrinas no pescoço (tireóide e paratireóide).
Se o pranayama é executado sem esta bandha, imediatamente se sente uma pressão no coração, cérebro, globos oculares e dentro do ouvido, motivada pela pressão do ar nas trompas de eustáquio. Jalandhara Bandha tem como missão proteger o coração e o sistema vascular contra os efeitos nocivos das retenções prolongadas da respiração. Jalandhara bandha estimula o Anahata chakra e impede que seu prana suba, encaminhando-o para o Susumna Nadi; além disso, não permite que o néctar que exuda do Ajna chakra seja queimado pelo fogo do Manipura estimulando assim a kundalini a bebê-lo.

- Mula Bandha - faz a energia a subir pelo sushumna Nadi. Quando o Apana do Muladhara Chakra é forçado para cima e alcança o fogo do Manipura Chakra, a chama deste se alonga e é avivada pelo ar do Anahata Chakra, provocando uma onda de calor que aquece todo o corpo. Através deste agni (fogo), que é muito violento, a kundalini adormecida desperta e penetra na Brahma Nadi.

- Udhiyana Bandha (voar para cima) - Pressiona o prana para a Sarasvati Nadi (Nadi do conhecimento) que conduz o prana desde o vishudda diretamente para o Manipura e deste diretamente para o muladhara cakra, Sarasvati Nadi traz a energia para o Manipura de baixo para cima e de cima para baixo. Acende fogo do Manipura.


3. Kapalabhati
- Provoca a expulsão de todo ar residual dos pulmões, fazendo assim a limpeza total dos pulmões. A rejeição maciça de CO2 faz com que as celulas, numa tentativa de equilibrar a taxa de O2 e Co2 no sangue, eliminem o CO2 dos tecidos musculares provocando relaxamento e acréscimo de atividade celular que se manifesta como sensação de calor. A ação do diafragma e dos músculos abdominais massageia e tonifica todas as vísceras, principalmente o tubo digestivo e glândulas anexas, aumentando o peristaltismo intestinal e evitando a prisão de ventre. A forte oxigenação do sangue e a baixa de CO2, acalma o centro respiratório, o que repercute sobre o sistema Neurovegetativo. O movimento forte do diafragma ajuda a liberar as emoções retidas (raiva, choro, ansiedade, angustia)
O benefício mais importante deste exercício respiratório é exatamente o que lhe dá o nome. Kapala significa cérebro e Bhati significa aclarar, dar brilho. Kapalabhati significa Cérebro brilhante - Esta kriya consiste então, na limpeza e purificação do crânio, ou mais precisamente da região frontal do cérebro (área relacionada a compreensão do que é certo e errado). A cada expiração forte com o uso do diafragma o cérbro se enche de sangue e nas inspiração ele se esvasia.
Esta kriya limpa as nadis e o Manipura.
Usamos as três bandhas como em Agni-sara.

4. Bhastrika - Trata-se de um exercício de hiperventilação. O sangue satura-se de oxigênio ao mesmo tempo em que há uma eliminação maciça de gás carbônico. Isto acelera a respiração celular e produz a revitalização geral do organismo. É um maravilhoso método de purificação dos pulmões, ajudando a eliminar doenças como a tuberculose e pleuresia, além de asma e inflamações da garganta. No plano sutil o Bhastrika equilibra as vayus Prana e Apana que se unem. Essa união age sobre a Kundalini, que é estimulada a subir pela Susumna Nadi. A ascensão desta energia encontra-se habitualmente bloqueada em três pontos chamados Granthis ou nós: O nó de Brahma, no Muladhara Chakra: O nó de Vishnu no Anahata Chakra e o nó de Rudra (Siva) no Ajna Chakra. A prática de bhastrika rompe os três Granthis, possibilitando a subida da energia até o Sahasrara Cakra. Energiza a raiz dos Chakras.
Usamos as três bandhas como em Agni-sara.

5 . Trataka– Exercícios de visão. Tratata significa olhar fixamente. Existem dois tipos de trataka: Bahiranga (exterior) e Antaranga (interior). Como Kryia vamos tratar do Bahiranga, o Antaranga trata-se da visão interna para algum chakra, nadi, devas...que pode ser utilizado nos ásanas.
O Trataka, além de todos os benefícios na área de saúde ocular, é um poderoso exercício de concentração e energização do Ajna Chakra.
O Trataka é descrito no Gherandha Samhita e Hatha Yoga Pradipika e os mesmos exercícios foram utilizados posteriormente para a visão sem óculos pelo Dr. Bates e pelas terapias de corpo (Reichiana, bioenegértica...).
Diz o Gherandha Samhita: “Olhe fixamente, sem piscar, para um objeto pequeno, até que as lágrimas comecem a correr. Isto é denominado Trataka pelos sábios. Praticando este Yoga, Sambhavi Mudrã (olhar entre os olhos) é obtido. Certamente todos os males de visão são destruídos e a clarividência é produzida”.
Você pode fazer o trataka fixando a visão no polegar que se movimenta em vários sentidos ou utilizar objetos externos para a fixação.
Trataka que utilizamos:
Olhar um ponto a frente; frente e ponta do nariz; teto e chão; um lado e outro; rotação dos olhos nos dois sentidos e piscar até lubrificar os olhos.
Ao final (faz palmi) atrita as mãos, aplica o calor nos olhos e massageia os olhos e as musculaturas a volta dele.
Obs. Esses exercícios podem ser feitos isoladamente (somente com um olho) e com os dois olhos.

 

 

Kriyas

Home